Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

O escritório é referência para opiniões em diversos veículos importantes da imprensa CONFIRA Na Mídia Ebook LGPD Clique para download Podcast Direito ao Negócio Ouça aqui

Luara Zanfolin Frasson de Rezende
Advogada do Escritório Marcos Martins Advogados

A 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT 3) manteve por unanimidade, a condenação de uma empresa ao pagamento de horas extras a um trabalhador que desempenhava sua jornada externamente por restar comprovado o controle de jornada por WhatsApp.

O ex-empregado ajuizou a ação requerendo o pagamento de horas extras entre outros pedidos, alegando que a empresa realizava controle de jornada por meio do aplicativo WhatsApp, e-mails e ligações telefônicas.

A empresa se defendeu sob o argumento de que o colaborador exercia cargo de confiança e, também, atividade incompatível com o controle de jornada, por ser externo, condição esta que impediria a apresentação dos cartões de ponto no processo.

O juízo de primeiro grau julgou a ação procedente, sob o argumento de que o labor era externo, mas plenamente compatível com o controle da jornada por parte da empresa, possuindo, portanto, o encargo de comprovar a jornada efetivamente praticada, o que não foi atendido pela falta de apresentação dos controles de ponto.

Referida decisão foi mantida pelo TRT da 3ª Região, fundamentando que “ao invocar a exceção prevista no art. 62, I da CLT, sob o argumento de que a jornada do autor era essencialmente externa, sem possibilidade de controle, a reclamada assumiu o ônus da prova”, ou seja, precisaria comprovar por meio de testemunhas a inexistência de controle da jornada praticada, o que não ocorreu no caso ante o depoimento das testemunhas para participaram da audiência de instrução.

O relator da decisão, Desembargador Milton Vasques Thibau de Almeida, ainda deixou claro que o trabalho realizado externamente, por si só, não afasta o regime de horas extras, sendo necessário a efetiva demonstração de impossibilidade na fiscalização, decorrente da forma de prestação dos serviços, o que não ocorreu no caso concreto.

Tal entendimento demonstra que algumas ações de empresas ainda que supostamente amparadas pela Lei, podem ser desconsideradas pelo Judiciário caso seja demonstrado que a realidade fática era outra.

Assim, é altamente recomendável que as empresas invistam em consultoria jurídica de qualidade para adequação dos casos à legislação, assessoria esta que o Marcos Martins Advogados está apto e preparado para oferecer.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
logo-footer