Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

Tatiane Bagagí Faria
Advogada do escritório Marcos Martins Advogados

Em recente decisão, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça julgou o Recurso Especial nº 1942671/SP (2020/0157074-0) e firmou entendimento de que o imóvel ofertado à penhora pelo devedor não substitui o pagamento em dinheiro do montante cobrado, considerando a ordem preferencial de penhora e a lógica processual que norteia o processo de execução.

No caso em julgamento, intimado a pagar o débito executado em cumprimento de sentença provisório, o devedor ofereceu como pagamento um imóvel como forma de se isentar da multa e honorários advocatícios previstos no artigo 523, parágrafo 1º, do Código de Processo Civil.

A ministra Nancy Andrighi, ao proferir seu voto, reforçou que cabe ao credor aceitar bem diverso da quantia em pecúnia como forma de satisfação da obrigação, visto que não está obrigado a aceitar coisa distinta daquela estipulada na decisão judicial exequenda, ainda que em valor equivalente ou superior ao montante do débito. Aplicou-se o entendimento, por analogia, da liquidez inerente à execução por quantia certa.

Com tal entendimento, foi negado provimento ao recurso do devedor, fazendo incidir a multa e honorários advocatícios sobre o valor cobrado, por ausência de pagamento em dinheiro do montante devido no prazo legal assinalado na legislação, em razão de o credor ter recusado a oferta do imóvel e exercido seu direito legal de receber em dinheiro.

O escritório Marcos Martins Advogados está atento às novidades na área de direito processual, a fim de prestar assessoria adequada e eficaz aos nossos clientes.

Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
CategoryInformativos
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

logo-footer