Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

O escritório é referência para opiniões em diversos veículos importantes da imprensa CONFIRA Na Mídia Ebook LGPD Clique para download Podcast Direito ao Negócio Ouça aqui
marcos martins advogados informativo seguro vida danos materiais

Marília Silva de Melo
Advogada do Escritório Marcos Martins Advogados

A 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho autorizou que a Empregadora deduzisse do valor da condenação a título de danos materiais, o valor pago exclusivamente pela empresa a título de seguro de vida, recebido pela família do empregado em caso de falecimento.

Para a Turma, a jurisprudência do TST permite a dedução sobre a indenização paga em única parcela se o empregador tiver arcado sozinho com o pagamento das parcelas do seguro de vida.

No julgamento da ação em questão, ajuizada pela viúva do empregado que veio a falecer em razão de acidente de trabalho, a Empregadora foi condenada  a pagar indenização por danos materiais, além da indenização por danos morais, em razão da responsabilidade civil da Empregadora pelo acidente ocorrido.

Em Recurso Ordinário, a empresa argumentou que a família já havia recebido parte do valor por meio do seguro de vida contratado. Entretanto, o Tribunal Regional da 11ª Região rejeitou a argumentação sob o entendimento de que o desconto das parcelas não poderia ser realizado por tratar-se de parcelas de natureza distintas: os danos materiais resultarem da culpa do empregador pelo acidente; e, a parcela do seguro de vida decorrer da morte durante o trabalho.

Porém, no âmbito do TST, o Ministro-relator Alexandre Ramos, reformou a decisão e autorizou o desconto do montante recebido pelo seguro de vida sobre o montante do dano material a que a Empregadora fora condenada, fundamentando a decisão sob o argumento de que o seguro SAT (Seguro Acidente de Trabalho), previsto no artigo 7º, inciso XXVIII, da Constituição Federal, é uma obrigação da empresa e destinada à Seguridade Social, porém, o seguro de vida privado é uma faculdade da empresa e paga exclusivamente pelo empregador.

Para o relator, a jurisprudência do TST já se posicionou no sentido de que o seguro de vida é deductível da condenação de danos materiais em razão de acidente de trabalho. “O abatimento não somente evita o enriquecimento ilícito da família, como se trata de estímulo para que as empresas se cerquem de garantias para proteção do empregado submetido a situação de risco no trabalho e contratem seguros para seus empregados.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
CategoryInformativos
logo-footer