Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

Isabela Magalhães Rodrigues
Advogada do escritório Marcos Martins Advogados

Recentemente, em decisão unânime proferida pelo Superior Tribunal de Justiça – STJ, os contribuintes tiveram uma importante vitória em decisão que rejeitou o pedido da Fazenda Nacional para realização de penhora on-line antes da citação.

A proibição das ações de bloqueio via SISBAJUD, conhecida como ‘’teimosinha’’, antes da citação do executado, se justifica em razão do Princípio da Menor Onerosidade da Execução, o qual prevê que a cobrança da dívida na esfera judicial deve ocorrer da forma menos gravosa ao executado.

Agora, após firmado este entendimento, será possível aos Executados se organizarem financeiramente para que o cumprimento daquela exigência não prejudique o desempenho das atividades da empresa, garantindo a manutenção de empregos e pagamento de salários, pois terá suas contas atacadas antes de ser dado o direito a defesa.

Vale ressaltar que não são raros os casos em que são ajuizadas execuções fiscais visando a cobrança de débitos que já estão pagos, mesmo que parcelados, sendo discutidos em outras ações ou ainda em duplicidade.

Embora a Fazenda Nacional tenha valores significativos a receber, deve-se utilizar dos meios menos gravosos para garantir o recebimento desses tributos, contexto em que certamente não inclui a penhora de valores em contas bancárias antes da citação.

A vedação da penhora antes da citação revela-se fundamental para garantir a efetividade do princípio do devido processo legal, uma vez que é a partir dele que surge a possibilidade de manter a entrega de um direito sem vícios procedimentais.

Assim, prevaleceu a regra de que a citação deve preceder qualquer ato de bloqueio de valores, possibilitando ao empresário eleger a melhor forma de garantir a satisfação do débito tributário, de modo que qualquer ato que afronte este entendimento pode e deve ser questionado em juízo, visando a liberação de valores penhorados indevidamente.


Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Tags,
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

logo-footer