Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

O escritório é referência para opiniões em diversos veículos importantes da imprensa CONFIRA Na Mídia Ebook LGPD Clique para download Podcast Direito ao Negócio Ouça aqui

Beatriz Benedete Cardoso 
Advogada do escritório Marcos Martins Advogados

Em recente decisão, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no julgamento do RESP 1.953.212/RJ, de relatoria da Ministra Nancy Andrighi, reforçou a jurisprudência da Corte sobre o cabimento de arbitragem contra empresas em Recuperação Judicial.

Em seu voto, a Ministra Relatora ressaltou que o deferimento do pedido de recuperação judicial não tem o condão de trasmudar a natureza de direito patrimonial disponível do crédito a ser reconhecido e quantificado via procedimento arbitral, haja vista que os bens de titularidade da Recuperanda permanecem à sua disposição durante o soerguimento, não havendo óbices, portanto, à instauração da arbitragem.

O julgado prestigiou, ainda, o princípio da kompetenz-kompetenz, segundo o qual incumbe ao próprio Tribunal Arbitral decidir a respeito de sua competência para processar e julgar a demanda que lhe foi submetida.

Em suma, a jurisprudência do STJ entende que o deferimento do pedido de recuperação judicial não invalida, de pronto, eventuais cláusulas compromissórias constantes de contratos celebrados pela empresa em recuperação, de modo que a apuração e liquidação de eventuais débitos em desfavor da Recuperanda deverão seguir pela via arbitral. A prática ou controle de atos de execução, contudo, são de competência exclusiva do Juízo Recuperacional.

Vale ressaltar que o entendimento da Corte foi consagrado no artigo 6º, § 9º, da Lei 11.101/2005 (Lei de Falência), conforme alteração trazida pela recente reforma introduzida pela Lei 14.112/2020, o qual dispõe que “o processamento da recuperação judicial ou a decretação da falência não autoriza o administrador judicial a recusar a eficácia da convenção de arbitragem, não impedindo ou suspendendo a instauração de procedimento arbitral”.

O escritório Marcos Martins Advogados está atento para as novidades jurisprudenciais, a fim de prestar assessoria adequada e eficaz aos nossos clientes.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
logo-footer