Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

O escritório é referência para opiniões em diversos veículos importantes da imprensa CONFIRA Na Mídia Ebook LGPD Clique para download Podcast Direito ao Negócio Ouça aqui

Bruna Zampieri Colpani
Advogada do escritório Marcos Martins Advogados

O Ministro do Trabalho e Previdência editou neste dia 01 de novembro a Portaria n° 620 que traz em seu bojo a orientação aos empregadores brasileiros à não exigência de Certificado Nacional de Vacinação para contratação de novos colaboradores ou mesmo para a manutenção das relações de trabalho já constituídas, ao passo que, atitude contrária seria considerada demissão discriminatória.

Da leitura da Portaria é possível verificar que o Ministro do Trabalho se pautou em um fundamento constitucional para regulamentar a questão do certificado nacional de vacinação, haja vista os dispositivos legais pré-existentes não regulamentam a respeito dos desdobramentos da Covid-19.

Com efeito, a Portaria expressamente traz em seu texto que a não apresentação de cartão de vacinação contra qualquer enfermidade não está inscrita como motivo de justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador no art. 482 da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho. Tampouco está previsto como conduta discriminatória na Lei n° 9.029/95.

Ainda, nos termos do artigo 1° e parágrafo 1° da Portaria os empregadores estão proibidos de exigir documentos obstativos para a contratação, especialmente o comprovante de vacinação. Mas em contrapartida, mantém a obrigação de que os empregadores devem estabelecer e divulgar orientações ou protocolos com a indicação das medidas necessárias para prevenção, controle e mitigação dos riscos de transmissão da COVID-19 nos ambientes de trabalho, incluindo a respeito da política nacional de vacinação e promoção dos efeitos da vacinação para redução do contágio da COVID-19.

Diante disso, tem-se a Portaria é uma medida obrigatória, no sentido de se adotar justamente a vacinação como mecanismo de precaução.

Assim, em contrapartida a Portaria elaborada pelo Ministro Onyx Lorenzoni, o Ministério Público do Trabalho publicou no dia 05 de novembro nota técnica com a orientação para os empregadores exigirem o comprovante de vacinação de seus empregados e outros prestadores de serviço para ingressarem no local de trabalho, com exceção dos casos em que houver justificativa médica fundamentada em contraindicação para a vacina.

E isto porque, segundo o MPT, é dever do empregador resguardar o direito à vida e a saúde de seus trabalhadores, estando previsto inclusive no art. 483, c, da CLT que o empregador se abstenha de expor seus trabalhadores a “perigo manifesto de mal  considerável”, sendo este também o posicionamento do Tribunal Superior do Trabalho, no sentido de que a saúde e segurança da coletividade se sobrepõe à do indivíduo.

O Supremo Tribunal Federal já se manifestou nesta mesma linha de raciocínio em diversas oportunidades, posicionamento este ratificado no último dia 12 de novembro, com o deferimento de medida liminar para suspender a vigência de alguns dispositivos da Portaria 620 do  Ministério do Trabalho, ressaltando a possibilidade de os empregadores exigirem o comprovante de vacinação de seus empregados, sob o fundamento de que a vacinação obrigatória não violaria a liberdade, sendo possível, inclusive, a adoção de medidas indiretas pelas empresas, como a proibição de acesso aos locais a quem nega imunização, nos termos da Lei n° 13.979/20.

Referida decisão, proferida pelo ministro Luís Roberto Barroso, também suspendeu a vigência da Portaria no tocante à suposta prática discriminatória em decorrência de solicitação do cartão de vacinação, bem como a possibilidade de demissão por justa causa pela falta do documento.

De toda sorte, é altamente recomendável que as empresas busquem assessoria jurídica para a correta aplicação da legislação, assessoria esta que o Marcos Martins Advogados está apto e preparado para oferecer.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
logo-footer