Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

O escritório é referência para opiniões em diversos veículos importantes da imprensa CONFIRA Na Mídia Ebook LGPD Clique para download Podcast Direito ao Negócio Ouça aqui
marcos martins advogados artigo Lei 14112.

Tatiane Bagagí Faria
Advogada do Escritório Marcos Martins Advogados

A Lei nº 14.112/2020, que entrou em vigor em janeiro de 2021, trouxe alterações à Lei de Recuperação Judicial e Falências, apresentando, como novidade significativa, a legitimidade do produtor rural na qualidade de empresário individual, para pleitear a recuperação judicial, ainda que não detenha a inscrição no Registro Público de Empresas Mercantis há mais de dois anos.

O principal ponto de destaque abordado pela nova legislação trata sobre o requisito temporal necessário para que o produtor rural tenha direito a pleitear a recuperação judicial. Isto porque, antes da alteração da lei, o artigo 48 da Lei nº 11.101/2005 regulava como necessário o prazo de 2 (dois) anos de atividade regular do produtor rural para a concessão da recuperação, sem deixar claro a partir de quando esse tempo seria contado, o que gerava grande insegurança jurídica e divergência jurisprudencial acerca do assunto.

Antes da inovação legislativa, a jurisprudência dominante exigia que, para pleitear a recuperação judicial, o produtor rural pessoa física deveria comprovar a existência de registro de empresário perante a Junta Comercial de seu Estado pelo tempo previsto no artigo 48 da Lei de Recuperação Judicial e Falências, bem como demonstrar o exercício regular das atividades rurais pelo mesmo período.

Com o advento da alteração legislativa, o produtor rural tem a possibilidade de contabilizar período anterior ao registro na junta comercial para fins de comprovar o período de atividade exigida em lei, com a apresentação de documentação contábil-financeira evidenciando que, independentemente do devido registro como empresária individual, já exercia atividade rural.

A lei discrimina os documentos aptos a comprovar o exercício da atividade rural para fins de contabilizar o prazo de 2 (dois) anos, nos termos do artigo 48, §3º, da Lei nº 11.105/05:

Art. 48. Poderá requerer recuperação judicial o devedor que, no momento do pedido, exerça regularmente suas atividades há mais de 2 (dois) anos e que atenda aos seguintes requisitos, cumulativamente:

§ 3º Para a comprovação do prazo estabelecido no caput deste artigo, o cálculo do período de exercício de atividade rural por pessoa física é feito com base no Livro Caixa Digital do Produtor Rural (LCDPR), ou por meio de obrigação legal de registros contábeis que venha a substituir o LCDPR, e pela Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (DIRPF) e balanço patrimonial, todos entregues tempestivamente. (Incluído pela Lei nº 14.112, de 2020)

Com a alteração legislativa, restou evidente a intenção do legislador acerca da possibilidade de computar período anterior ao registro do empresário individual na junta comercial para fins de atendimento ao requisito temporal, visto que permitiu a apresentação de documentação da atividade rural enquanto pessoa física, apresentando entendimento em concordância com os princípios norteadores que embasam a Lei de Recuperação Judicial e Falências, pautando-se sempre pelo soerguimento da empresa crise e pela função social da atividade empresária.

Outro ponto inovador no tocante à recuperação judicial do produtor rural diz respeito à possibilidade de optar pela adoção do procedimento simplificado, que até então era exclusivo das microempresas e empresas de pequeno porte, permitindo a apresentação de plano especial, desde que o valor da causa não exceda a R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais), nos termos do artigo 70-A, incluído pela Lei nº 14.112/20.

Apesar das alterações positivas sobre a legitimidade do produtor rural e requisito temporal para requerer a recuperação judicial, a alteração legislativa restringiu os créditos concursais da recuperação judicial do produtor rural. Isso porque, disciplinou que estarão sujeitos à recuperação judicial os créditos que decorram exclusivamente da atividade rural e estejam discriminados nos documentos a que se referem os §2º e §3º do artigo 49 da lei, ainda que não vencidos. Neste sentido, transações financeiras não comprovadas documentalmente estarão fora dos benefícios da concursalidade do crédito no âmbito recuperacional.

O escritório Marcos Martins Advogados está atento a este assunto e preparado para prestar assessoria jurídica qualificada aos seus clientes.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Powered by Rock Convert
Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
logo-footer