Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

O escritório é referência para opiniões em diversos veículos importantes da imprensa CONFIRA Na Mídia Ebook LGPD Clique para download Podcast Direito ao Negócio Ouça aqui

Vanessa Salem Eid
Advogada do Escritório Marcos Martins Advogados

O processo judicial de Execução vem se atualizando constantemente com a aplicação de novas tecnologias, tais como novos meios de localização de bens dos devedores.

A lei e a tecnologia, quando caminham lado a lado, aumentam as chances de satisfação do crédito buscado pelo credor. Dentre algumas das medidas judiciais mais populares estão a pesquisa de veículos automotores, por meio do sistema Renajud, pesquisa de patrimônio e declaração de imposto de renda, por meio do sistema Infojud e, por último e mais popular de todos, o sistema Sisbajud (antigamente conhecido como “Bacenjud), que interliga a Justiça ao Banco Central e às instituições financeiras, para agilizar a solicitação de informações e o envio de ordens judiciais de bloqueio de ativos ao Sistema Financeiro Nacional, via internet.

Ainda que a justiça esteja se atualizando, quando se trata de tecnologia na busca de meios para a satisfação de crédito, é essencial que o credor, por meio de seus advogados, realize uma pesquisa patrimonial prévia em nome dos devedores antes de ajuizar ações visando a satisfação do seu crédito.

Com o atual sancionamento da Lei 14.195/21, as pesquisas prévias se tornaram mais relevantes, diante das alterações introduzidas pela referida lei que agravaram o risco de prescrição intercorrente. Antes da reforma, o artigo 921, §1º, do Código de Processo Civil, previa que o início do prazo da prescrição intercorrente se dava após um ano contado da suspensão da execução. Pela nova redação do artigo, a contagem da prescrição intercorrente tem início após um ano da ciência da primeira tentativa infrutífera de localização do devedor ou de bens deste passíveis de penhora.

Ao não localizar o executado ou bens penhoráveis, a execução deverá ser suspensa pelo prazo máximo de 1 ano e uma única vez, na forma dos §§1º e 4º, do art. 921, do CPC. Os operadores do direito precisam estar atentos ao fato de que a suspensão da execução não ocorre automática e concomitantemente ao início do prazo de prescrição intercorrente, que, como visto, se dá com a ciência da primeira tentativa infrutífera de localização do devedor ou de bens penhoráveis.

Logo, como a suspensão não faz retroagir os prazos (cessa-se a contagem até o final da suspensão), será preciso considerar, no cálculo total do prazo da prescrição intercorrente, o tempo transcorrido entre o termo inicial previsto no §4º do referido artigo e a decisão que determinar a suspensão da execução.

Transcorrido o prazo de suspensão de 1 ano, o processo será arquivado, caso nenhum avanço tenha se dado nas pesquisas de bens ou com relação ao paradeiro do devedor, podendo ser desarquivado a qualquer momento se localizados bens que possam ser penhorados. Detalhe: após finda a suspensão de 1 ano o prazo da prescrição intercorrente volta a correr de onde havia parado, mesmo o processo estando arquivado.

Apenas a efetiva citação, intimação do devedor ou a constrição de bens penhoráveis causa a interrupção do prazo da prescrição intercorrente. O comando do §4-A do art. 921, traz regra semelhante à prevista nos §§1º a 4º, do art. 240, do CPC. É uma espécie de “estímulo” à proatividade do credor ao deixar de computar o prazo da prescrição intercorrente “pelo tempo necessário à citação e à intimação do devedor, bem como para as formalidades da constrição patrimonial, se necessária, desde que o credor cumpra os prazos previstos na lei processual ou fixados pelo juiz.”. A análise dessas circunstâncias não é simples e abrirá espaço para o devedor questionar a não contagem do prazo prescricional intercorrente durante o “tempo necessário” ao cumprimento das diligências previstas no §4º-A.

A bem da verdade, a palavra da vez aos que buscam satisfazer um crédito é: planejamento. O que já era necessário agora se tornou essencial no que tange à definição de cada passo a ser tomado, principalmente no que tange à busca prévia de endereço do devedor e, sobretudo, ativos passíveis de penhora antecedentes ao ajuizamento da ação destinada à potencialização das chances de êxito nos cumprimentos de sentença e processos de execução.

O escritório Marcos e Martins Advogados é especializado em Direito Empresarial e, antes mesmo de sancionada a Lei supramencionada, já atuava de forma combativa no estudo prévio de tomadas de decisões e buscas patrimoniais em nome dos devedores.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
logo-footer