Open/Close Menu O escritório Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.
marcos martins artigo lgpd

Giulia Keese Montanhesi
Advogada do Escritório Marcos Martins Advogados

Foi publicada no Diário Oficial, em 29 de abril de 2020, a Medida Provisória nº. 959, que tratou de dois assuntos nada semelhantes: o pagamento de benefícios emergenciais e a prorrogação do vacatio legis da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (“LGPD” ou Lei nº 13.709/2018), adiando a entrada em vigor de referida Lei para 03 de maio de 2021.

A exposição de motivos da Medida Provisória nº. 959 justifica o adiamento por “uma possível incapacidade de parcela da sociedade (em implementar a LGPD) em razão dos impactos econômicos e sociais da crise provocada pela pandemia do Coronavírus” e ainda, que a urgência e relevância da Medida Provisória decorrem da necessidade de “garantir a aplicação da Lei Geral de Proteção de Dados de modo ordenado e sem insegurança jurídica”.

Apesar de dita urgência na regulamentação da proteção e da privacidade de dados pessoais no Brasil, que vem sendo discutida há mais de 10 anos, nota-se que, o Governo Federal já havia adiado a entrada em vigor da LGPD por duas vezes, sendo que ela estava prevista para vigorar a partir de agosto deste ano de 2020. Assim, o futuro dos dados pessoais no Brasil continua incerto com a edição da MP nº. 959/2020.

A prorrogação neste período de crise já era esperada, especialmente em razão do Projeto de Lei nº. 1179/2020, de autoria do senador Antônio Anastasia, que foi aprovada no Senado e pende de votação na Câmara dos Deputados. Caso aprovado, o projeto adiaria a vigência da LGPD para 01 de janeiro de 2021, e a aplicação de sanções administrativas para 01 de agosto de 2021 – esta última alteração, também já era prevista já que a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), criada em dezembro de 2018, sequer foi constituída pelo Executivo (e não temos qualquer previsão para sua estruturação, funcionamento e operacionalização). 

A publicação da Medida Provisória portanto, surpreendeu a comunidade jurídica, que atravessou o andamento do Projeto de Lei nº. 1179/2020, conforme exposto acima. Além disso, a Medida tratou de dois temas que não guardam qualquer afinidade entre si (benefícios emergenciais e LGPD).

A despeito das justificações levantadas, este adiamento provoca o escalonamento da insegurança jurídica, ainda mais durante a pandemia do Coronavírus, que traz desafios ainda maiores em matéria de proteção de dados e privacidade, principalmente no setor da Saúde.

Diversas operadoras de telefonia estão compartilhando dados de geolocalização de seus usuários com o Governo Federal, Estados e Municípios para avaliar o isolamento e combater a pandemia, assim como diversas instituições passaram a divulgar registros médicos e dados de saúde para diversas finalidades.

Powered by Rock Convert

Alguns serviços ainda estão funcionando devido às tecnologias, ao home office e às plataformas integradas. Nada obstante, os ataques cibernéticos cresceram e os sequestros de dados se multiplicaram.

O ponto central é que todas as operações públicas e privadas que estão demandando dados pessoais não estão sob uma legislação específica e a manipulação destes está sendo feita sem um grau de proteção minimamente adequado e, por vezes, indevidamente, sob a perspectiva da própria postergação de fiscalizações e sanções administrativas debatida pelos parlamentares.

Outrossim, pelas disposições da GDPR, a União Europeia se abstém de realizar transações comerciais ou transferências internacionais de dados com países que não possuam grau elevado ou compatível com a sua normativa, em matéria de proteção de dados pessoais e privacidade.

Além do Brasil ser privado de informações relevantíssimas relativas às ações e políticas públicas adotadas por países bem sucedidos nesta crise, este requisito obsta quase por completo o estabelecimento de relações comerciais com empresas e países europeus.

O Brasil há muito vinha perdendo protagonismo no comércio internacional por não estar no patamar mínimo requerido. Com a LGPD, estava próximo de alcançar um grau adequado de proteção de dados (ainda que apenas formalmente) e retomar acordos comerciais relevantes, além de promover maiores trocas de dados substanciais de outras naturezas (saúde, economia, meio ambiente), as quais poderiam se mostrar decisivas na luta contra o Covid-19.

À toda evidência, constata-se que a postergação da vigência da LGPD influenciará negativamente na balança comercial brasileira.

Importa ressaltar, contudo, que o prazo trazido pela Medida Provisória não é definitivo. A Medida Provisória, por seu caráter transitório e emergencial, tem validade de, no máximo, de 120 dias e, caso não seja convertida em lei pelo Congresso nesse período, perderá seus efeitos, retornando a lei vigorar a partir de 16 de agosto de 2020 ou adquirindo novo prazo, a depender da aprovação dos Projetos de Lei que ainda tramitam nas casas parlamentares.

De toda forma, ainda que a postergação de sua vigência oportunize às empresas mais um ano para buscar adequação e conformidade com os dispositivos da LGPD, devem ter em mente que a nova realidade já se faz presente, podendo a responsabilização por atos violadores aos direitos da personalidade e à privacidade serem amparados pela legislação esparsa, isto é, pela Constituição Federal, Código de Defesa do Consumidor e pelo Marco Civil da Internet.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Powered by Rock Convert
Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
logo-footer