Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

O escritório é referência para opiniões em diversos veículos importantes da imprensa CONFIRA Na Mídia Ebook LGPD Clique para download Podcast Direito ao Negócio Ouça aqui
marcos martins advogados informativo revista visual mochilas empregados.

Mariana Saroa de Souza
Advogada do Escritório Marcos Martins Advogados

O Tribunal Regional da 2ª Região decidiu que é lícita a revista visual em bolsas e mochilas de funcionários de empresa varejista.

A desembargadora Maria Inês Re Soriano cassou uma decisão liminar que impedia uma empresa varejista de mercadorias em geral a realizar revistas visuais em bolsas, mochilas e sacolas de seus empregados.

Em primeira instância, a 2ª Vara do Trabalho de Carapicuíba/SP, determinou que empregadora se abstivesse de:

  • submeter seus empregados a quaisquer procedimentos de revistas íntimas, inclusive em suas bolsas, mochilas, sacolas e similares, bem como em demais pertences e objetos de uso pessoal, em quaisquer momentos do expediente, inclusive à entrada e saída do estabelecimento; e
  • submeter seus empregados a quaisquer procedimentos de revistas em suas vestimentas, tais como: bolsos, calças, casacos, etc.

Não concordando com referida decisão, a empresa levou o tema para análise do Tribunal Regional, ressaltando que em momento algum houve revista íntima nos empregados, sendo realizada apenas de forma meramente visual, em bolsas e mochilas, inexistindo requisitos aptos a ensejar e configurar ato ilegal a justificar a concessão da tutela.

Ao apreciar o mandado de segurança, a Desembargadora deu razão à fundamentação da empresa. Em consonância com a decisão da magistrada, “a probabilidade do direito reside no conceito de revista íntima (inciso IV do art. 373-A da CLT) que, conforme jurisprudência majoritária, não é aquela na qual o empregador se limita e, por simples contato visual, ou seja, sem tocar, verificar conteúdo de bolsas e mochilas de empregados”.

Para a Desembargadora, o perigo de dano foi constatado, tendo em vista que a empresa se trata de um comércio varejista e atacadista de mercadorias em geral, “nos riscos quanto à segurança do seu estabelecimento e à proteção do seu patrimônio”, fundamentando assim a decisão que cassou a ordem proferida pela 2ª Vara do Trabalho de Carapicuíba/SP, considerando lícita a revista visual realizada pela empresa em bolsas e mochilas dos funcionários.

É certo que a questão da revista íntima é um tema relevante e extremamente controvertido no âmbito da Justiça do Trabalho, necessitando que as empresas estejam amparadas juridicamente para adotar as melhores práticas, evitando riscos que possam impactar negativamente tanto à sua imagem, quanto à viabilidade do negócio, assessoria esta que o escritório Marcos Martins Advogados está apto e preparado para oferecer.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
CategoryInformativos
logo-footer