Open/Close Menu Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.

O escritório é referência para opiniões em diversos veículos importantes da imprensa CONFIRA Na Mídia Ebook LGPD Clique para download Podcast Direito ao Negócio Ouça aqui

Ana Carolina Sobreira Vasconcelos
Advogada do escritório Marcos Martins Advogados

Foi publicado no dia 11 de novembro de 2021 o Decreto 10.854 que regulamentou a legislação trabalhista no âmbito administrativo e instituiu o Programa de Consolidação, Simplificação e Desburocratização de Normas Trabalhistas Infralegais.

Considerado como o Marco Regulatório Infralegal Trabalhista, o decreto revisou e consolidou mais de mil atos entre portarias, instruções normativas e decretos, sendo que mais de 30 Decretos foram revogados.

É importante ressaltar que o decreto não modificou qualquer dispositivo da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), mas apenas buscou simplificar e unificar as diretrizes, para que todos os empregados e empregadores tenham conhecimento das normas, garantindo o seu cumprimento e, também, possibilitando o monitoramento e revisão dos atos normativos a cada dois anos.

Destacamos na redação do referido decreto o novo sistema regulatório de revisão e consolidação das normas trabalhistas em âmbito administrativo, que terá por objetivo não só modernizar, mas também tornar popular e mais acessível aos trabalhadores as regras trabalhistas.

Com a instituição do Programa Permanente de Consolidação, Simplificação e Desburocratização de Normas Trabalhistas Infralegais, as normas trabalhistas em âmbito administrativo serão organizadas e compiladas, dividindo-se nos seguintes temas: a) legislação trabalhista, relações de trabalho e políticas públicas de trabalho; b) segurança e saúde no trabalho; c) inspeção do trabalho; d) procedimentos de multas e recursos de processos administrativos trabalhistas; e) convenções e recomendações da Organização Internacional do Trabalho – OIT; f) profissões regulamentadas; e g) normas administrativas.

Ainda, referido decreto traz regras relativas ao registro eletrônico de jornada, livro inspeção do trabalho, vale-transporte, vale-alimentação, medicina e segurança do trabalho, além de ratificar a legislação acerca da terceirização.

Com o intuito de impedir eventuais fraudes, o decreto trata dos requisitos necessários e indispensáveis para a validade do registro eletrônico de jornada, amparado pelo artigo 74, da CLT.

Assim, para serem considerados válidos, os equipamentos eletrônicos deverão apresentar requisitos mínimos de conformidade, como não permitir a alteração ou eliminação de dados registrados, além da garantia de que o equipamento não apresente qualquer restrição quanto à marcação da correta jornada de trabalho do trabalhador. Possibilitou, ainda, a pré-assinalação do período de intervalo e a utilização do ponto por exceção.

No tocante ao Livro de Inspeção do Trabalho, previsto no artigo 628, § 1º, o decreto regula a migração para a forma eletrônica, através do eLit, com o intuito de ampliar sua funcionalidade englobando também consultas a legislação trabalhista, avaliação de riscos quanto a segurança do trabalho, além de facilitar o pagamento de multas e emissão de certidões e cientificar as empresas quanto aos atos praticados e decisões proferidas no contencioso administrativo trabalhista, podendo a empresa, ainda, apresentar defesa e recurso de forma eletrônica nos autos desses processos.

Com relação ao vale-transporte, o decreto deixou claro a possibilidade de pagamento em dinheiro apenas aos empregados domésticos, bem como que para os demais empregados, a utilização deverá ser restrita ao pagamento de transporte público coletivo e não para o serviço de transporte privado, bem como que o transporte deve ser fornecido para todo o percurso do trabalhador.

Ou seja, o vale-transporte não poderá ser utilizado para ressarcimento do empregado que necessitar se deslocar até a empresa ou retornar para sua residência por meio de transporte público individual como Uber, táxi e outros aplicativos, devendo estes valores serem ressarcidos em folha de pagamento.

O decreto traz também, novas regras para o Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT, regulamentado pela Lei 6.321/76, e tem por objetivo incentivar as empresas a cuidarem da saúde nutricional de seus empregados: (i) benefícios concedidos igualmente a todos trabalhadores; (ii) Previsão de programa de promoção e monitoramento da saúde e segurança alimentar dos trabalhadores; (iii) pagamento de vale refeição/alimentação em arranjos de pagamento aberto ou fechado; (iv) proibição de deságio na contratação de vale refeição ou alimentação; e, (v) portabilidade facultativa.

Além de exigir que as empresas beneficiárias do PAT concedam o mesmo valor para todos seus funcionários, deverá haver a contratação de profissional habilitado em nutrição para figurar como responsável técnico do PAT.

No caso de fornecimento de serviços de alimentação, o Decreto estabelece que as empresas beneficiárias do PAT devem monitorar a segurança alimentar e nutricional dos seus empregados, devendo, para tanto, ser observado ato conjunto dos Ministérios do Trabalho e Saúde.

Nos termos do decreto há proibição quanto a aplicação de deságio ou desconto sobre o valor contratado para o fornecimento de alimentação ao trabalhador ou o fornecimento de meio para aquisição de alimentação.

Da mesma forma estipulou novas limitações ao montante dedutível a título de PAT, sendo elas:

  • Dedução cabível apenas em relação aos valores gastos com trabalhadores que recebam até 5 salários-mínimos, podendo englobar todos os trabalhadores da empresa beneficiária, caso seja fornecido serviço próprio de refeições ou de distribuição de alimentos por meio de entidades fornecedoras de alimentação coletiva;
  • Dedução passa a abranger apenas a parcela do benefício que corresponder ao valor de, no máximo, 1 salário-mínimo.

Outro ponto importante é a ratificação de que os recursos repassados ao trabalhador em conta de pagamentos para utilização no âmbito do PAT não podem ser sacados, sendo a exceção apenas em caso de rescisão contratual, na forma do inciso III do art. 174.

Ainda, com relação a segurança do trabalho, o tema abordado foi com relação ao certificado de aprovação do equipamento de proteção individual. Nesse ponto, a preocupação foi a de proteger os trabalhadores, tendo em vista que os equipamentos de proteção individual somente poderão ser comercializados se possuírem o certificado de aprovação, o qual deverá ser emitido pela Secretaria de Trabalho do Ministério do Trabalho e Previdência

O decreto também regulamenta o recebimento de denúncias sobre irregularidades trabalhistas e pedidos de fiscalização por meio de canais eletrônicos, garantindo a confidencialidade, tudo com o intuito de que o planejamento da inspeção do trabalho atue de forma estratégica para prevenir acidentes de trabalho, doenças ocupacionais e minimizar irregularidade trabalhistas.

Ainda no tocante ao tema saúde e segurança, o decreto trata das diretrizes para elaboração e revisão das normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho, visando a desburocratização e simplificação das diretrizes existentes para que sejam implementadas de maneira sustentável pelos empregadores, no intuito de buscar um equilíbrio entre a proteção da saúde dos trabalhadores e a livre iniciativa, priorizando situações de alto risco ocupacional e de acidentes graves.

Foram reiterados ainda artigos outrora abordados na Lei 6.019/74 que se referem à terceirização de serviços, sendo ressaltado que somente será reconhecido o vínculo empregatício entre o empregado da prestadora de serviços com a tomadora quando for evidenciada fraude trabalhista, de modo que, caso a fraude não seja constatada, a discussão será apenas e tão somente contra a prestadora de serviços.

A fim de elucidar dois temas comumente confundidos, o decreto preocupou-se em distinguir de forma mais clara e objetiva – cumprindo sua missão – entre trabalho terceirizado e trabalho temporário, estabelecendo ainda, os direitos e deveres dos empregados temporários, seus empregadores e tomadores de serviços.

Ainda, é importante mencionar que o decreto entrou em vigor no dia 12 de dezembro, a exceção dos artigos 174, 177 e 182, que terão vigência após 18 meses da data de sua publicação, ocorrida em 11 de novembro de 2021.

Por fim, é altamente recomendável que as empresas busquem assessoria jurídica para a correta aplicação da legislação, assessoria esta que o Marcos Martins Advogados está apto e preparado para oferecer.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
logo-footer