Open/Close Menu O escritório Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.
Contribuição Sindical

Paloma da Silva Aguiar
Advogada do Escritório Marcos Martins Advogados

Em um primeiro momento, faz-se necessário esclarecer, que é livre a associação profissional ou sindical, com base no “caput” do artigo 8º, da Constituição Federal – CF[1].

Para maior reforço, se observa o texto do inciso V, também do artigo 8º, da CF, que ensina o seguinte, “in verbis”:

  • “V – ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a sindicato;”

A contribuição sindical está prevista na Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, e consiste no pagamento de uma importância equivalente a 01 (um) dia de trabalho do colaborador empregado, contando como base, o valor da sua remuneração.

Este montante, por sua vez, é recolhido, uma vez ao ano, e em parcela única.

Ensina o “caput”, do artigo 583, da CLT, o tempo desse recolhimento:

  • Art. 583 – O recolhimento da contribuição sindical referente aos empregados e trabalhadores avulsos será efetuado no mês de abril de cada ano, e o relativo aos agentes ou trabalhadores autônomos e profissionais liberais realizar-se-á no mês de fevereiro. (Redação dada pela Lei nº 6.386/1976) (Vide Lei nº 11.648/2008).

Ou seja, o Empregador tem o dever de realizar o desconto de 01 (um) dia de trabalho do empregado, em seu recibo de pagamento relacionado ao mês de março, para justamente repassar o montante ao Sindicato no mês seguinte, qual seja, em abril.

Ora, mesmo que ninguém seja obrigado a se filiar a um Sindicato, evidente que o estabelecimento pertencerá a uma categoria, e, portanto, torna-se obrigado a contribuir anualmente, fazendo jus aos benefícios e direitos dispostos junto à Convenção Coletiva de Trabalho – CCT, o que certamente inclui o dissídio coletivo.

Contudo, com a entrada em vigor da Reforma Trabalhista – Lei nº 13.467/2017, esta contribuição sindical tornou-se facultativa, e não mais obrigatória, devendo o empregado informar e autorizar, de forma escrita, voluntária e individual, acaso queira se associar ao Sindicato e obter o desconto da mencionada contribuição em seu recibo de pagamento.

Desta maneira, inclusive, entende o Tribunal Regional do Trabalho – TRT da 07ª Região, “in verbis”:

  • Ementa
  • CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. REFORMA TRABALHISTA. DESCONTO. CONSTITUCIONALIDADE.
  • Com o advento da Lei nº 13.467/2017 e após o julgamento da ADI 579-4 e das demais ações a ela apensada, reputou-se constitucional a nova redação dada aos arts. 545, 578, 579, 582, 587 e 602 da CLT para condicionar o recolhimento da contribuição sindical à autorização prévia e expressa do participante da respectiva categoria profissional”. (Processo RO 0000325-38.2018.5.07.0029. Partes: Polo Ativo: Município de Carnaubal, Polo Passivo: Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará – Fetamce. Publicação: 06/06/2019. Julgamento: 5 de junho de 2019. Relator: Carlos Alberto Trindade Rebonatto).

Somente para fins de complementação, vale dizer que nesta autorização por escrito, deverá constar o nome do empregado, seu cargo, setor de trabalho, nº da CTPS, nº do PIS e do CPF.

Já no que tange à contribuição confederativa, esta somente se mostra válida aos filiados do Sindicato respectivo, inexistindo assim, qualquer obrigatoriedade por parte daqueles não associados, conforme dispõe a Súmula nº 666, do Supremo Tribunal Federal – STF.

Powered by Rock Convert

Esta contribuição confederativa tem o objetivo de custear o próprio sistema confederativo, seja da categoria econômica, seja da categoria profissional, tendo a ser descontada em folha, além de fixada em Assembleia Geral.

E, no que se refere à contribuição assistencial, também prevista na CLT, esta deverá ser votada e aprovada em Assembleia Geral, e, posteriormente, fixada em Convenção Coletiva de Trabalho; Acordo Coletivo de Trabalho; ou Sentença Normativa.

A vistoria de cumprimento ou eventual cobrança do montante relacionado a esta contribuição, deverá ser realizado por meio do instrumento normativo ou da sentença normativa, sempre que estiver vigente e não ultrapassado (a).

Contudo, vejamos.

A contribuição associativa somente será descontada no recibo de pagamento do empregado se este vier a realizar a autorização devida e por escrito, uma vez que, caso não concorde ou simplesmente não opte pelo desconto desta contribuição, terá obrigação de informar a sua não pretensão, por escrito, justamente para se precaver de qualquer desconto indevido.

Válido se mostra afirmar, ainda, que o Precedente Normativo[2] do Tribunal Superior do Trabalho – TST nº 119 destacou que o empregado não sindicalizado não está obrigado ao desconto no seu recibo de pagamento, tanto com relação à contribuição assistencial, quanto com relação à contribuição confederativa.

Importante se mostra dizer ao Empregador, que acaso este realize o desconto da contribuição assistencial, sem a devida autorização do empregado ou com base em montantes constantes em instrumentos normativos inválidos, poderá se sujeitar a uma autuação administrativa pela fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE.


O Empregador, se autorizado a tal desconto, deverá repassar o montante descontado ao Sindicato, até o décimo dia do mês subsequente ao do desconto, conforme determina a CLT.

Assim, e por fim, evidente que para ocorrer qualquer desconto, deve-se primeiro, observar se o empregado é sindicalizado ou não, o que excluía a contribuição sindical obrigatória, até a entrada da vigência da Reforma Trabalhista, que no momento demonstrou a sua facultatividade.

Para fins de resumo, portanto, segue abaixo:

Antes da Reforma Trabalhista – Lei nº 13.467/2017:

Contribuição Sindical Com desconto, independentemente de sindicalização;
Contribuição Confederativa Com desconto, se sindicalizado;
Contribuição AssistencialCom desconto, independentemente de sindicalização, somente com autorização do Empregado;

Depois da Reforma Trabalhista – Lei nº 13.467/2017:

Contribuição Sindical Com desconto, independentemente de sindicalização, somente com autorização do Empregado;
Contribuição Confederativa Com desconto, se sindicalizado;
Contribuição AssistencialCom desconto, independentemente de sindicalização, somente com autorização do Empregado;

[1] Art. 8º – É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: (…).

[2] Nº 119 CONTRIBUIÇÕES SINDICAIS – INOBSERVÂNCIA DE PRECEITOS CONSTITUCIONAIS – (mantido) – DEJT divulgado em 25.08.2014 “A Constituição da República, em seus arts. 5º, XX e 8º, V, assegura o direito de livre associação e sindicalização. É ofensiva a essa modalidade de liberdade cláusula constante de acordo, convenção coletiva ou sentença normativa estabelecendo contribuição em favor de entidade sindical a título de taxa para custeio do sistema confederativo, assistencial, revigoramento ou fortalecimento sindical e outras da mesma espécie, obrigando trabalhadores não sindicalizados. Sendo nulas as estipulações que inobservem tal restrição, tormam-se passíveis de devolução os valores irregularmente descontados.
Histórico: nova redação dada pela SDC em sessão de 02.06.1998 – homologação Res. 82/1998, DJ 20.08.1998.

Powered by Rock Convert
Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
CategoryArtigos
logo-footer