Open/Close Menu O escritório Marcos Martins Advogados tem desenvolvido, ao longo de sua trajetória, perfil altamente especializado na prestação de serviços jurídicos.
marcos martins artigo faltas injustificadas

Marília Silva de Melo
Advogada do Escritório Marcos Martins Advogados

As faltas injustificadas refletem nas férias do trabalhador. A legislação trabalhista garante a todo trabalhador o direito anual ao gozo de um período de férias, sem prejuízo da remuneração. Ainda, a Constituição Federal garante, além do período de férias, o acréscimo de um terço ao salário do empregado nesse período.

Entretanto, a CLT dispõe regras especificas no tocante a quantidade de dias de gozo das férias para os trabalhadores, principalmente quando o há no curso do período aquisitivo ao direito das férias, faltas injustificadas pelo trabalhador.

Para que se entenda quais faltas o empregador pode considerar como injustificadas para compensação no período de férias, faz-se necessário que se entenda primeiramente quais seriam então as faltas justificadas, ou seja, aquela em que o trabalhador não comparece ao serviço e a empresa não pode descontar de seu salário, não refletindo no direito à aquisição do período e quantidade de dias de férias.

Na CLT são elencados os casos específicos onde a falta é considerada como justificada, sendo estes:

Powered by Rock Convert

os previstos no artigo 473 da CLT (até 2 dias consecutivos no caso de falecimento de cônjuge, ascendente, descendente, irmão ou pessoa declarada na CTPS e previdência social;

até 03 dias consecutivos em razão de casamento; 1 dia em caso de nascimento de filho;

por 1 dia em cada 12 meses por doação voluntária de sangue;

até 02 dias consecutivos ou não para alistamento eleitoral;

no período de tempo em que cumprir as exigências do Serviço Militar;

no dia em que realizar provas de vestibular para ingresso em ensino superior;

pelo tempo que se fizer necessário para comparecimento em juízo;

pelo tempo que se fizer necessário para representação de entidade sindical;

até 02 dias para acompanhar consultas médicas e exames durante o período gestacional da esposa;

por 01 dia para acompanhar filho em consulta menor que 06 anos;

até 03 dias em caso de exames preventivos de câncer);

durante o licenciamento da empregada por maternidade ou aborto; acidente de Trabalho ou enfermidade atestada pelo INSS;

a falta que a empresa não descontar do salário; durante a suspensão para responder inquérito administrativo ou prisão preventiva quando houver impronunciamento ou absolvição; e

quando não houver serviço.

Assim, caso ocorra qualquer das situações acima elencadas, a empresa não poderá realizar o desconto no salário do trabalhador, tão pouco esses dias não trabalhados surtirão reflexos no direito às férias do empregado. Entretanto, caso o empregado falte por qualquer outro motivo, a empresa poderá considerar como falta não justifica e assim realizar os devidos descontos.

Com relação as faltas injustificadas, a CLT traz um rol taxativo de dias de faltas injustificadas que o trabalhador pode vir a ter dentro do período aquisitivo de um ano para férias, e os dias que efetivamente o mesmo terá para gozo das férias.

Esse rol taxativo encontra-se no artigo 130 da CLT, a qual estipula os dias devidos de férias, nas seguintes proporções: 30 (trinta) dias corridos, quando não houver faltado ao serviço mais de 5 (cinco) vezes; 24 (vinte e quatro) dias corridos, quando houver tido de 6 (seis) a 14 (quatorze) faltas; 18 (dezoito) dias corridos, quando houver tido de 15 (quinze) a 23 (vinte e três) faltas; 12 (doze) dias corridos, quando houver tido de 24 (vinte e quatro) a 32 (trinta e duas) faltas.      

Vejamos que não é que se desconte, ou se compensa os dias de faltas injustificadas do trabalhador do seu período de férias, mesmo porque conforme parágrafo 1ª do referido artigo é veda completamente tal atitude, o que a Legislação Trabalhista garante é uma proporcionalidade justa, uma vez que a empresa já sofreu com as faltas do trabalhador durante o ano aquisitivo, sendo medida de justiça que o trabalhador goze proporcionalmente de suas férias caso supere o número de 5 faltas injustificadas anualmente.

Deste modo, não cabe ao empregador descontar das férias as faltas do empregado ao serviço, pois os descontos permitidos já estão regulamentados pela lei.

A Legislação Trabalhista, ainda disciplina os casos em que não são devidas as férias ao empregado, ou seja, as hipóteses em que o empregado não gozará de nenhum dia de férias se dentro do seu período aquisitivo ocorrer as seguintes circunstâncias: deixar o empregado o emprego e dentro do prazo de 60 dias não for readmitido; permanecer em gozo de licença com percepção de salários por mais de 30 dias; deixar de trabalhar, com percepção de salários por mais de 30 dias em razão de paralisação total ou parcial dos serviços da empresa; perceber do INSS auxilio acidente ou auxilio doença por mais de 06 meses, mesmo que descontínuos.

Dúvidas? Fale com nossos advogados e receba orientações.

Powered by Rock Convert
Compartilhe nosso conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
CategoryArtigos
logo-footer